Roma, terceiras impressões

Em Roma, todos falam inglês. Logo após o buon giorno tradicional, ao notarem que nossa resposta tem sotaque diferente, automaticamente saem falando em inglês. Não adianta continuarmos perguntando e respondendo em italiano, eles entram em “modo inglês” e não saem. Todos, em todos os lugares. Os italianos amam os ingleses, acho que gostariam de ser ingleses, na verdade. Exatamente o oposto de Paris, onde não apenas não falam inglês como também não fazem o menor esforço para agradar aos turistas que movimentam sua economia. Talvez essa seja uma das razões de haver tão mais turistas em Roma do que em Paris.

Além disso, os ingleses amam Roma e a Itália. Até agora foi o lugar onde mais escutei o idioma de Shakespeare em seu som original. Claro que isso irá deixar de ser verdade em alguns dias, quando estivermos em Londres 🙂

A comida em Roma é muito mais barata do que em Paris, além de servida em porções bem mais generosas. Sanduíches minúsculos que custavam € 8 em Paris são encontrados aqui em versões três vezes maiores por apenas € 3,50. Claro que ainda não bate o € 1 do Bocadillo de Jamon de Madrid

Internet atrasada

A Itália como um todo é absolutamente atrasada em termos de internet. Há uma lei que exige que todos os usuários de internet sejam identificados para o governo, o que faz encontrar internet de graça uma grande gincana. Quando há, é mediante usuário e senha, por tempo limitado, mediante prévio cadastro que envia a senha para um celular italiano previamente registrado, o que impossibilita o uso de quem não possui tal celular. No hotel em Florença, fazem uma cópia do cartão de acesso diário, pedem para assinar esta cópia e copiam teus dados para entregar para o governo. Impressionante, no pior sentido da palavra.