O que você faz?

Muitas vezes os amigos nos fazem essa pergunta e caso não sejamos médicos, advogados, contadores, dentistas, entre outras profissões bem conhecidas, podemos ter certa dificuldade em explicar exatamente “o que fazemos”.

Mesmo os profissionais citados anteriormente podem ter essa dificuldade. São médicos com alguma especialidade pouco conhecida ou advogados especializados em assuntos estranhos ao grande público, por exemplo.

Mas acredito que o pessoal que trabalha com computadores são os que mais sofrem dessa sindrome. Hoje em dia, os computadores fazem parte de nossa vida de tal forma, que é impossível não conhecer alguém que “mexe com computador”. E as necessidades que aparecem a cada dia faz com que essas pessoas precisam estar em constante evolução. Por isso, a pergunta “o que você faz?”, pode ter uma resposta hoje e outra resposta na semana que vem.

Vamos a um exemplo prático. Eu trabalho com informática. O que isso pode dizer? Que eu instalo computadores nas casas das pessoas? Que eu vendo computadores? Que eu resolvo os problemas quando o computador para de funcionar?

Vou ser um pouco mais específico então. Eu trabalho com Internet. Não ajudou muito… Eu tenho um provedor de acesso? Um provedor de hospedagem de sites? Faço sites para as pessoas e empresas?

Como dá para notar, a coisa não é tão simples assim. E o que piora ainda mais, é que muitas das coisas que faço não são comuns às pessoas que não trabalham com isso. E isso gera uma pequena frustração velada entre os amigos. Eles querem ajudar, indicar conhecidos que possam precisar dos nossos serviços, mas como fazer isso se nem eles sabem direito o que fazemos.

Aí nasce a nescessidade de definirmos nosso foco, sabermos o que fazemos e quem pode precisar dos nossos serviços. E então, o principal de tudo isso, contar aos amigos! Nada dá mais alegria a um amigo verdadeiro que saber que ajudou seu companheiro a arranjar um trabalho, a fechar um negócio. E cabe a nós facilitar a tarefa dos nossos amigos se quisermos contar com a ajuda deles.

Lembrando sempre que não basta sabermos o que fazemos. Temos que fazer bem feito, afinal, não queremos deixar nossos amigos em maus lençois por uma indicação ruim.

Eu sou empresário. Tenho duas empresas principais. Uma desenvolve sites para a Internet. A outra, hospeda sites em nossos servidores e instala servidores para clientes que desejam ter seus próprios equipamentos de uso exclusivo.

Geralmente, tenho que explicar que para ter um site é necessário um provedor de hospedagem para dar “uma casa” para ele. Tenho que explicar que meu servidor é como “um condomínio fechado” onde o site do cliente tem seu endereço. E como na vida real, tem gente que prefere ou que precisa construir seu próprio prédio (usar seu próprio servidor exclusivo).

Como deu pra notar, mesmo explicando o que faço nos dois parágrafos acima, ainda está um pouco vago. Tem muita coisa que faço que não está devidamente explicitado. E muita coisa que não faço, que pode ser incluída na descrição mais genérica que escrevi.

Para resolver isso, o jeito mais simples é dar meu cartão. Nele tem o endereço do site da minha empresa (www.OpenWeb.com.br), onde todos podem ler cada um dos nossos serviços, com a explicação mais detalhada deles.

E você, o que faz?