Mais picaretagem envolvendo o lance embutido nos consórcios

Por WANDERLEY ARAÚJO.

Nova malandragem no concorrido mercado da picaretagem. Vendedores autônomos estão empurrando contratos de consórcio em consumidores incautos que assinam os documentos acreditando que vão receber empréstimo de dinheiro em supostas operações de crédito rápido e fácil, sem avalista, sem SPC, sem Serasa, com limite de até R$ 100 mil.

Eles agem graças às falhas no setor de consórcio que não dispõe de nenhum controle sobre as pessoas que vendem este tipo de produto. Segundo Osvaldo Moraes, diretor do Procon, não há entidade ou lei que regule a profissão dos vendedores autônomos de consórcio.

Qualquer picareta que quiser se aventurar a vender planos basta colocar uma pastinha debaixo do braço e sair por aí a oferecer o produto.

O Procon tem dezenas de casos de pessoas lesadas por estes maus vendedores. A vítima muitas vezes é atraída por anúncios nos classificados de jornais com a promessa de liberação de empréstimo “sem avalista e sem burocracia”. Quando vai atrás do dinheiro encontra, na verdade, o vendedor mal intencionado de consórcio.

Com poder de persuasão, ele explica que na verdade trata-se de um consórcio mas que o dinheiro sairá em poucas semanas pois a vítima será contemplada se oferecer um determinado lance na carta de adesão. O dinheiro para o lance é tirado do próprio consórcio, por intermédio de hipoteca ou alienação que servem de lastro no contrato, numa operação legal conhecida no mercado como “lance embutido”.

Se o cidadão precisa, por exemplo, de R$ 30 mil, ele assina um contrato no valor de R$ 40 mil para que R$ 10 mil seja ofertado como lance; quando for contemplado com os R$ 40 mil o cliente restitui os R$ 10 mil ao consórcio.

O Banco Central não tem como punir – A encrenca acaba desaguando no Procon quando o tempo passa e o tão sonhado empréstimo nunca aparece.

Como a vítima assina normalmente um contrato de consórcio e fica apenas com a promessa verbal do vendedor de que receberá o empréstimo mediante a suposta contemplação, o consumidor lesado não tem sequer meios legais de acionar o caso na Justiça ou no Procon. “O que vale é o que está no papel. A vítima, na verdade, assina um contrato de consórcio e fica amarrada a este tipo de plano. O consumidor deve ficar muito atento, pois não existe contemplação de consórcio pré-fixada”, alerta Osvaldo Moraes.

O interesse do vendedor em toda a maracutaia é receber uma comissão a título de taxa de adesão, que varia de 1,5% a 2%, sobre o contrato.

Uma administradora, entre várias que tiveram problemas em função da ação de vendedores inescrupulosos, para se preservar, acabou com o lance embutido em suas operações. É através desta modalidade de lance que o vendedor usa o argumento de que a vítima será contemplada de forma rápida.

O Banco Central diz que não tem como punir este tipo de golpe pois a vítima acaba assinando um contrato formal de consórcio.

Fonte: http://www.condominios.com.br/sitecond/noticias/dicas/jc111101.htm

—–

Por tudo isto é que sempre oriento os amigos a conhecer bem com quem estão investindo seu dinheiro, saber do histórico e das realizações da empresa que irá administrar o grupo de que fazem parte. Para saber em quem eu confio e como invisto meu dinheiro, conheça os sites http://www.investimentoemconsorcio.com.br e http://www.investimentoemimovel.com.br.

Adquira seus consórcios com quem sabe o que faz, procure a Megacombo e fale diretamente comigo.

Abraços,
Fabricio S. Peruzzo.

Um pensamento em “Mais picaretagem envolvendo o lance embutido nos consórcios”

  1. O Banco xxxxxxxxxx pôs seus vendedores para oferecer esse tipo de “vantagem” no mercado de Brasília. Há vários anúncios nos jornais. Liguei para um anúncio de uma kit, com entrada de 12 mil. Aí o sujeito disse que era um convênio entre o xxxxxxxxxx e a yyyyyyyyyy. Que se eu não tivesse os 12 mil de entrada, ele pegaria uma carta de crédito maior e embutiria o valor no lance. Só maracutaia.

Os comentários estão desativados.