Cuidado com o lance embutido

Esta semana recebi um e-mail oferecendo uma carta contemplada para venda. Os e-mails trocados exemplificam o absurdo que pode acontecer quando caimos no “conto do vigário” do lance embutido de algumas administradoras.

Bom dia Fabricio,

Li a matéria na internet sobre como investir em consórcio imobiliário e gostaria de tirar algumas dúvidas. Adquiri um consórcio imobiliário da Caixa Econômica e fui contemplado. Porém, não estou mais interessado no bem e gostaria de vender.

Os valores são:

Carta: R$ 14.600,00
Restam: 77 prestações de R$ 246,40
Valor pago: R$ 5.900,00

Quanto eu poderia ganhar de ágio nessa venda? Seria fácil vender esta carta?

Obrigado,
Nome Omitido.

Oi Nome Omitido,

Como o valor do crédito da tua carta é pequeno e tanto saldo devedor quanto o valor de entrada são muito altos em relação ao crédito, acredito que não seja fácil vender essa carta.

Estão certos os valores que tu passaste?

Porque fiz o cálculo, e dá mais de 70% de acréscimo na relação do crédito com o saldo devedor.

Abraço,
Fabricio.

Oi Fabricio,

Os valores estão corretos sim. Eu comecei pagando por uma carta de R$ 40.000,00 uma prestação de R$ 557,00 e após o “lance embutido” (utilizei 50% da própria carta + R$6.000,00 de FGTS), fui contemplado e o valor caiu para R$ 246,40.

Seria complicado passar este consórcio contemplado mesmo cobrando um valor mínimo de ágio (R$ 500,00 a R$ 1.000,00) ou até mesmo sem cobrança de ágio? A Megacombo faria este tipo de transação com a minha carta?

Abraços.
Nome Omitido.

No exemplo acima dá para notar o absurdo que pode ocorrer quando optamos por fazer um consórcio que permite utilizar “lance embutido”. Acabamos com um consórcio de menos da metade do valor original, mas pagamos a taxa de administração sobre o valor total.

Uma taxa de administração que deveria ser de aproximadamente 20% pode se transformar em mais de 70%, como vimos no caso acima.

Por esse motivo que eu procuro sempre mostrar para as pessoas a importância de estudar o que vão fazer antes de partir para a ação. Ou no mínimo, que procurem informação com quem costuma investir nisso. Notem bem o termo: investir, não vender. Porque a quase totalidade dos vendedores de consórcio não possuem consórcios em seus próprios nomes. Se eles não usam o produto que vendem, como acreditar que eles entendem do que estão falando?

6 pensamentos em “Cuidado com o lance embutido”

  1. Neste caso se o “nome omitido” simplesmente passar o consórcio para frente restarão 77×246,40 para o novo consorciado pagar, o que daria 18.972,80, que em relação aos 14.600,00 da carta daria uma taxa de administração de 30% para quem comprar. Porque o valor do FGTS o o valor pago não foram recebidos de volta na carta de crédito? Porque o valor da carta ficou tão baixo?

  2. Diego,

    Quem comprar TEM que pagar de volta o valor que ele já havia pago até a contemplação, além do saldo devedor. São os 18.972,80, mais os 5.900, para pegar os 14.600 de crédito.

    Lance embutido é uma furada.

  3. Fabricio,

    Achei o site por acaso, fazendo uma pesquisa sobre lance embutido. Achava que seria a solução ideal para o meu caso, mas agora estou em dúvida. Não quero o consórcio como forma de investimento e sim para comprar meu imóvel (o que não deixaria de ser um investimento…). Pesquisando sozinho, sem o auxílio de um especialista, percebi que o melhor caminho era um consórcio. A minha idéia era pagar por uma carta de 250 mil, e usar 50 mil da carta para, junto com recursos próprios, dar o lance. Dessa forma, me sobrariam 200 mil para a aquisição do imóvel. Sei que eu pagaria a taxa de administração mais alta, mas ainda assim não seria mais vantajoso que um financiamento? Desde já agradeço a atenção.

    1. Oi Marcelo,

      Apenas o lance embutido (que todos os participantes podem oferecer) não é o suficiente para contemplar o consórcio. Precisa de pelo menos 50% do valor do crédito para conseguir a contemplação. Se tu dás um lance embutido de 30% do crédito, mais um valor do teu próprio bolso para complementar este lance, como o valor da carta tem que ser maior do que a realmente necessária (para compensar o lance embutido), a parte que tu terás que dar em dinheiro também será relativamente maior. Assim, tu darás um lance final em dinheiro pouca coisa menor, mas terás um custo muito maior. Calculando corretamente tudo, verás que sairá tanto ou até mais caro que um financiamento.

  4. Olá!
    Gostaria de saber se quando usamos o lance embutido, por exemplo: crétido de 100.000 e uso 30.000 de lance embutido. Restam 70.000 de crédito, ok?
    Caso seja contemplada, o valor das parcelas seriam baseadas nos 70.000 ou nos 100.000? Aguardo resposta! Grata

    1. Oi Suraya,

      Normalmente as parcelas restantes são baseadas no valor do crédito original, de R$ 100.000 no teu exemplo, mas cada administradora pode ter variações sobre isso, aumentando o prazo, por exemplo e fazendo parcelas menores.

      A administradora com que faço meus investimentos pessoais não possui lance embutido, então isso não é algo com que me preocupe. Além do mais, como explico no artigo, o lance embutido é um estratagema bolado para facilitar a vida de vendedores preguiçosos e abre a chance de prometerem coisas que não podem ser cumpridas, como contemplações “mais fáceis”.

      Meu conselho? Foge disso.

Os comentários estão desativados.