Confissões

Até mesmo super-heróis possuem problemas que desejam resolver.

Estava lendo Bird by Bird: Some Instructions on Writing and Life, excelente livro da Anne Lamott, quando me deu vontade de confessar publicamente algumas coisas ao ler um trecho em que ela dizia que os personagens tinham que possuir alguns defeitos ou características das quais não gostavam tanto. A autora dizia que isto permitia nos identificarmos com tais personagens porque nenhum de nós é perfeito, logo, essas pequenas características eram a cola que nos ligava a cada personagem.

Acredito que desta reflexão sairá algo interessante, pois as vezes tendemos a ver somente um lado das situações, o lado mais fácil de ver, o lado mais exposto, quando na verdade, tudo costuma possuir muitas facetas. Acho importante a busca pela compreensão do todo, ou do máximo possível. É uma forma de tentarmos entender um pouco mais sobre o mundo e sobre nós mesmos.

Ao mesmo tempo, é uma forma de mostrar um pouco mais de mim e um pouco de como funciono no dia a dia. Esta é uma questão que aparece com frequência: “Fabrício, como tu consegue fazer tantas coisas, participar de tantos projetos, etc”. São coisas importantes de saber para quem deseja buscar resultados e as vezes se impressionam com os que tenho obtido, achando que sou um poço de perfeição, organização e execução.

Preguiça.

Vamos começar com a preguiça. Sou muito preguiçoso. É verdade, você pode não acreditar nisso ao ver tudo o que consigo realizar, tudo que escrevo nos diversos sites que mantenho, mas a grande verdade é que sou um grande preguiçoso. Aquela palavra grande e feia, procrastinação, é minha amiga há anos, acho que desde que me conheço por gente.

Preguiça e procrastinação são coisas diferentes, mas andam bem juntinhas. Há dias em que simplesmente não tenho vontade de fazer nada. Na verdade, não tenho vontade de fazer nada do que está na minha lista de tarefas a realizar. Com certeza quero fazer alguma outra coisa. Preste atenção nisto que estou escrevendo, porque este é um dos segredos do meu sucesso.

Quando não tenho vontade de fazer o que “preciso” fazer, normalmente arranjo algo mais interessante para ocupar meu tempo. Este é exatamente um destes momentos que ilustram maravilhosamente bem esta questão. Estava lendo um livro quando na verdade deveria estar lendo outro. Estava lendo um livro sobre a escrita e a vida, quando deveria estar lendo os livros necessários para escrever meu trabalho de conclusão da pós-graduação. O que meu cérebro faz, então? Me leva a pensar que é hora de escrever um texto para meu site pessoal. E aqui estou eu, escrevendo um texto que deve me aproximar de você que está lendo estas linhas, mostrando que apesar de ter conquistado determinado sucesso na vida e na carreira, sempre fui e continuo sendo uma pessoa normal, com problemas normais de pessoas normais. Com as mesmas dúvidas e angústias que todos possuem.

Meu segredo está na maneira com que resolvo alguns destes problemas. Então, como faço para resolver o problema da preguiça e sua consequência mais direta, a procrastinação? É fácil, uso o que chamo de procrastinação estruturada. Já fazia isso há muito tempo de forma intuitiva, então foi muito legal ver que já havia alguém mais fazendo o mesmo, e mais que isso, escrevendo sobre o assunto. A identificação foi imediata. Leia o texto do John Perry (Structured Procrastination, em inglês) para saber como funciona, em detalhes.

Resumidamente, procrastinação estruturada é escolhermos tarefas úteis para nosso futuro que substituam aquelas que deveríamos estar realizando neste momento. Este texto serve a este propósito, é mais um artigo para meu site. Se minha tarefa de hoje fosse “escrever um artigo novo para meu site”, provavelmente não estaria aqui escrevendo isso, estaria lendo um livro necessário para meu trabalho de conclusão. Fiz isso algumas vezes no passado recente. Resultado? Os livros que deveria estar lendo hoje, já os li. Os textos que deveria ter escrito semana passada, com folga para publicar na semana seguinte, estou escrevendo hoje, enquanto deixo de fazer o que deveria estar fazendo agora. No rodapé da página do John Perry ele dá outro exemplo disso dizendo que o site foi feito pela neta do autor, enquanto ela evitava estudar para a prova de literatura 🙂

O melhor de tudo é que no final, acabo tendo resultados ainda melhores do que se não tivesse procrastinado. Quando deixo as coisas para última hora, a medida em que o tempo vai ficando mais curto para concluir determinada tarefa, vou ficando cada vez mais preocupado. Esta preocupação se transforma em estar constantemente pensando no assunto em questão. Assim, apesar de não estar escrevendo meu trabalho de conclusão, estou constantemente pensando nele, nas relações, nas implicações entre os assuntos. Quando estiver na última hora e finalmente começar a escrever, o trabalho já estará praticamente pronto dentro da minha cabeça, é só transpor para a versão final.

Insegurança.

Vamos a mais uma confissão. Já que o título deste artigo está no plural, não posso parar na primeira. Sou inseguro. Tenho medo de fazer algo e não dar certo. Penso, repenso, desenho para entender melhor as implicações. É normal nos sentirmos inseguros ao começar algo novo. É normal ter medo. O medo nos deixa alertas. Por outro lado, ajo apesar do medo. Recentemente comecei a gravar vídeos para colocar na internet. Fico inseguro a cada novo vídeo, será que está bom o suficiente? Será que quem assistir irá gostar? Será que estou levando informação suficiente para valer a pena para quem me assiste? É um desafio constante. O que me faz lembrar de mais uma coisa a confessar…

Herdeiras também tem o que confessar.

Desorganização.

Confessando que sou desorganizado, lembro de outro texto que ressoa fundo dentro de mim, coincidentemente também do John Perry (sim, temos muito em comum, ele também escreve longos relatos como este). Na verdade não sou desorganizado, sou apenas Organizado Horizontalmente. Leia a súplica completa: A Plea for the Horizontally Organized, mais uma vez em inglês. Outra hora vou escrever o que penso sobre a língua inglesa em mais detalhes. Por hora, basta dizer que se você não lê textos em inglês, deveria aprender o mais rápido possível. Não precisa falar nem compreender alguém falando rápido, apesar disso também ser útil, mas ler, é essencial.

Voltando ao assunto da organização, nós, horizontalmente organizados, simplesmente não conseguimos usar as estruturas projetadas para organizar os documentos e tudo o mais. Um exemplo simples olhando minha mesa neste momento. Tenho uma pilha de papéis a minha esquerda, uma agenda aberta, um moleskine onde faço anotações rápidas ou que serão transpostas ao caderno onde anoto as coisas de forma mais permanente, mais alguns papéis soltos, anotações entre as teclas de função do meu teclado do computador, papéis na frente do teclado, papéis atrás do teclado, papéis em cima da impressora (não saindo dela, mas realmente em cima, e nem é uma destas modernas impressoras copiadoras, é uma pequena, que na prática não teria espaço para papéis em cima, mas sou bom equilibrista. Vou poupá-lo da descrição detalhada da minha estante, onde mais papéis ficam horizontalmente espalhados à frente dos livros encostados no fundo. Na minha direita, mais pilhas de papéis, o mesmo acontecendo em cima do computador. Isto tudo são as coisas em que estou trabalhando no momento.

O que uma pessoa normal teria? Tudo organizado em pastas, arquivos, gavetas. Quando precisa de algo, vai até a pasta em questão, pega os documentos, trabalha neles e depois guarda. Aí é que está a questão primordial. Nós, horizontalmente organizados, não temos esta habilidade. Eu uso arquivos para guardar documentos. Organizar e guardar as coisas é simples. A habilidade que nos falta é a de abrir um arquivo e localizar coisas que estão pendentes de conclusão. Para quem é horizontalmente organizado, arquivos servem apenas para guardar aquelas coisas que não queremos mais olhar. Chega deste assunto, cabe em um novo texto, ou melhor, leia o artigo original que citei anteriormente.

Incompetência e perfeccionismo.

Mais uma. Sou incompetente em muitas coisas. Sou péssimo nos meus vídeos, não nasci com as habilidades de um ator. Muita gente me diz que estão bons, mas a verdade é que estas pessoas, quando estão falando a verdade e realmente acham bons, simplesmente não tem o meu nível de perfeccionismo ou não dão importância a coisas que eu acho serem importantes. É difícil fazer um vídeo e achar que está bom, com tantos filmes e atores maravilhosos nos dando exemplos frequentes do que é realmente bom. E então segue mais uma confissão, sou perfeccionista. Juntando minha insegurança e minha incompetência neste assunto, com o perfeccionismo que me daria a desculpa final necessária para evitar gravar vídeos e expor estas incompetências, bastaria procrastinar as gravações indefinidamente e não teria mais problemas. Só que aí entra o que é realmente importante neste texto. Apesar de todos os nossos medos, todas as nossas imperfeições, todos os nossos problemas, ainda assim os dias passarão. E cabe somente a nós mesmos decidir se estes dias passarão conosco produzindo, gerando valor para os outros, ajudando as pessoas com aquilo que sabemos, ou se passarão conosco fechados em nossas bolhas de medo e imperfeição.

Resultados!

É melhor fazer algo passável, do que não fazer coisa alguma. Mais que isso, quanto mais coisas passáveis fazemos, melhores vamos ficando nestas coisas. Até que um dia nos tornamos mestres nestes assuntos. Comigo já foi assim com a informática, com as vendas, com o marketing online, com a escrita (você acredita que eu não sabia escrever quando nasci?), com os investimentos em geral e mais especificamente com os investimentos em imóvel, e agora com meus vídeos. Em algumas tarefas que me determinei a cumprir, me tornei realmente o melhor dos melhores. Em outras, como os vídeos, não tenho a pretensão de me tornar um ator profissional, nem um editor, muito menos um diretor… Humm, talvez diretor sim 🙂

Deixo a pergunta final: o que você está deixando de fazer com medo de se expor, de expor suas fraquezas e incompetências? Quanta gente você está deixando de ajudar com esta atitude? O que você fará a partir de agora?

10 pensamentos em “Confissões”

  1. Amei! 🙂 me reconheci.. faz sentido.
    Ei, admite: tu sempre quis ser o George Lucas! 🙂 hehe

  2. Sensacional! Apesar de ser o primeiro texto a glorificar defeitos (o que nem sempre é bom), é também o primeiro texto que admite que os defeitos estão lá e que apesar deles pode-se ir muito longe. Afinal, os defeitos estarão lá de qualquer maneira. Admitir a existência deles é o primeiro passo para doma-los, controla-los e finalmente supera-los.

    Agora vou voltar ao que eu estava fazendo antes de vir ler esse texto. 🙂

    1. Pinheiro,

      Não se trata exatamente de glorificar defeitos, mas bem como tu escreveste, mostrar que eles estão lá e que cabe somente a nós reconhecê-los e aceitá-los, para quem sabe os usarmos a nosso favor ou corrigí-los com o tempo.

      Agora volta a fazer o que devias estar fazendo 🙂

  3. Resumo o que sinto sobre o que você escreveu ……

    você pode não entender se às vezes fico pelos cantos
    um tanto quieto, recolhido, mergulhado no meu pranto
    é que ele me liberta na hora
    no momento em que eu boto pra fora
    o que já não me serve vai embora
    e assim, eu fico leve
    (MÚSICA)— pitty – água contida

  4. Grande Fabrício. Acho que por isso, apesar de não nos conhecermos tanto, sempre temos idéia de trabalharmos juntos. Somos muito parecidos nas características que tu citaste nesse post. Também estou na luta para utilizar meus defeitos ao meu favor da melhor forma possível.
    Abraço.

  5. Adorei o texto colega. Principalmente a parte da Insegurança!
    Valeu! Tem certas leituras que nos aparecem na hora certa!
    Abraço

  6. A parte da procrastinação me atingiu em cheio!!!
    Me senti desnudo!!!Rsrs
    Que bom que me identifiquei com alguem que possui a dita cuja e, melhor ainda, faz ela “trabalhar” a seu favor!!!
    (Preciso aprender mais sobre isso!)
    Palavras enlevadoras!!!
    Obrigado e parabéns!!!!

  7. Fabrício, fui lendo e rindo… hehehe. Caramba, é incrível como somos iguais.

    As pessoas também me perguntam como consigo fazer tanta coisa. Realmente consigo, mas nunca as que defino que são as que tenho que fazer no momento. Me acham organizado, pq uso uma série de coisas pra me organizar… mas só uso por saber o quanto sou desorganizado. A insegurança, incompetência e perfeccionismo também estão muito presentes, e então busco caminhos pra driblar estas dificuldades.

    No fim o mais importante é que não tenhamos dúvida alguma do sucesso, e seremos sempre maiores que os nossos problemas.

    Obs.: é lógico que eu tenho umas coisas bem importantes pra fazer agora e não deveria estar aqui lendo seu site, muito menos deixando comentário… hehe… mas se não estivesse procrastinando agora, não teria achado os bons links que deixou.

    Abraços!

Os comentários estão desativados.